APREENSÕES DE ANIMAIS SILVESTRES REALIZADAS PELA POLICIA MILITAR AMBIENTAL NO ESTADO DO PARANÁ EM 2017

  • Ivana Bertila Popovicz Uniguaçu
  • Lew Kan Sprenger
Palavras-chave: Crimes Ambientais; Fauna Silvestre; Medicina Veterinária Legal.

Resumo

O Brasil possui a maior biodiversidade do planeta. Porém, o meio ambiente brasileiro tem sido extensivamente degradado desde o início da colonização europeia. O estado do Paraná é descrito como um local de captura, rota de passagem e ponto usado para a exportação de animais da fauna silvestre brasileira. O trabalho foi conduzido a partir da análise de boletins de ocorrência da Polícia Militar Ambiental (B.O.) relacionados a casos de apreensões de fauna silvestre no ano de 2017, entre os meses de janeiro a dezembro. Foram selecionados 186 boletins de ocorrência, da categoria “apreensão de ovos, larvas e espécimes da fauna silvestre”. A ave conhecida popularmente como Canário-terra (Sicalis flaveola) representou um total de 22,71% dos animais apreendidos (326/1435), sendo, portanto, a espécie mais aprendida. Esta foi seguida pelo Coleirinho (Sporophila caerulescens), 16,09% (231/1435), Trinca-ferro (Saltador similis) 15,81% (227/1435), Azulão (Cyanocompsa brissonii), 7,45% (107/1435), Pintassilgo (Sporagra magellanica), 3,90% (56/1435). Com os dados obtidos, as autoridades ambientais podem assumir uma postura mais atenciosa diante de situações que envolvam o contato com animais silvestres.

Publicado
2020-09-24