ESTUDO DE UM MODELO DE ESTRUTURAÇÃO PENITENCIÁRIA DE REGIME SEMIABERTO FEMININO NO BRASIL

  • Camila Fernanda Fiutek Centro Universitário Vale do Iguaçu - Uniguaçu
Palavras-chave: estabelecimentos penais; regime semiaberto feminino; Paraná; ressocialização.

Resumo

A prisão, em muitos aspectos, ainda não evoluiu muito em seu sistema, estrutura, ou mesmo em seus métodos de reinserir o preso.  O presente trabalho teve, como base inicial, a organização histórica dos dados, os quais foram analisados no decorrer dos anos em diferentes tipos de estabelecimentos penais, e analisando historicamente as mudanças sociais e pessoais de seus internos, com propósito de atender diferentes contextos criminais e penais. Como enfoque principal desse artigo, analisa-se a superlotação de estabelecimentos de regime semiaberto feminino e sua quase inexistência no estado do Paraná. A partir do que foi analisado, foca-se no Centro de Regime Semiaberto Feminino de Curitiba – CRAF o qual deixa evidente a necessidade de uma expansão em relação à quantidade e qualidade de estabelecimentos para abrigar essas presas, que podem ter uma melhoria em suas vidas através de um ambiente que proporcione tais melhorias para que elas, utilizando-se do trabalho e educação, assim como bem estar, tenham incentivo para a ressocialização e reinserção na sociedade.

Publicado
2020-09-24