Análise sociocultural das dificuldades de adesão ao Serviço de Inspeção Municipal em União da Vitória - PR

  • Juliana Bonfim da Silveira Uniguaçu
  • Regiane Maria Wowcsuk
Palavras-chave: Feirantes. Serviço de Inspeção Municipal. Produtos de Origem Animal.

Resumo

RESUMO: As exigências do mercado consumidor, com relação aos alimentos de origem animal, são um tópico de destaque crescente entre a população consumidora e as indústrias de alimentos. A segurança e a garantia na qualidade de alimentos é um assunto que vem sido bastante debatido no mundo, sendo que é de responsabilidade de todos aqueles que estão envolvidos na cadeia produtiva, começando pelos agricultores chegando até as esferas governamentais e os consumidores. O Serviço de Inspeção Municipal (SIM) norteia e regulamenta a estruturação de uma agroindústria, independente do seu porte, para que haja a garantia das condições higiênico-sanitárias dos produtos de origem animal comercializados no município. A cidade de União da Vitória - PR possui o Serviço de inspeção Municipal implantado desde 1995, sendo que num contexto atual, existe uma preocupação em registrar todos os estabelecimentos que comercializam produtos de origem animal no município. O presente trabalho realizou um levantamento em forma de questionário com os agricultores/feirantes para verificar a realidade por eles vivida em relação a comercializam de produtos de origem animal sem a devida inspeção e também realizar um levantamento de qual a maior dificuldade por eles encontrada para que se regularizem e obterem seus produtos dentro das normas de fiscalizações vigentes exigidas, garantindo assim a qualidade e também agregação de valores a seus produtos. O Serviço de Inspeção Municipal da cidade de União da Vitória - PR demostrou não possuir índices relevantes de aquisição do selo entre os feirantes que comercializam produtos de origem animal, constando-se assim uma sócia cultura por eles adquiridos que também dificulta esse processo de regulamentação, e dificuldades por eles encontrados como o custo necessário para essa regularização, fazendo com que muitos optem pela clandestinidade dá comercialização dos seus produtos, ao invés de um alimento devidamente inspecionado e livre de qualquer tipo de contaminação.

Publicado
2020-12-18