FUTEBOL FEMININO

os preconceitos vivenciados por atletas da modalidade.

  • Miriam Eliane Olbertz UNIGUAÇU
  • Gisele Petchevist Braz
Palavras-chave: futebol; futebol feminino; preconceito.

Resumo

Na antiguidade, as mulheres eram proibidas de praticar atividades físicas, um dos argumentos utilizados era de que elas não eram capazes de realizar atividades físicas iguais aos homens, sendo rotuladas como frágeis. Devido a questões culturais, têm-se a ideia de que alguns esportes são apenas para homens, outros para mulheres, isso acaba sendo repassado de geração para geração. Mesmo com várias transformações ocorridas na sociedade e mesmo o esporte sendo atualmente apresentado tanto para a prática masculina, como a feminina, ainda é observado a divisão sexual, que é responsável por uma parte da construção de diferenças hierarquizadas. Portanto, o objetivo desta pesquisa foi identificar a incidência de preconceitos vivenciados por praticantes de futebol feminino de uma equipe do município de Paulo Frontin-PR. Para atingir os objetivos propostos, foi aplicado um questionário com perguntas objetivas e descritivas para todas as atletas da equipe. Na coleta de dados, foi possível observar que 92% das atletas já sofreram ou sofrem preconceitos por praticarem a modalidade, bem como o grande relato acerca de expressões “futebol é coisa de homem”. Diante disso, observou-se que as mesmas não se sentem inibidas e continuam praticando, buscando seu espaço, reconhecimento e valorização dentro da modalidade escolhida.

Publicado
2020-09-24