AVALIAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE INFECÇÃO URINÁRIA EM GRUPO DE GESTANTES ATENDIDAS NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE PAULO FRONTIN - PR

  • Elaine Ferreira Centro Universitário Vale do Iguaçu
  • Milena Mayara Marafon
  • Rafael Fiamoncini Ferreira
Palavras-chave: Infecção. Gestantes. EAS. Urocultura. Uropatógeno.

Resumo

A Infecção do Trato Urinário (ITU) é definida pela resposta inflamatória dos tecidos de qualquer região do trato urinário frente a uma contaminação bacteriana ou, mais raramente, a outros agentes infecciosos, tais como fungos e vírus. Na gestação é a complicação clínica mais comum, devido às grandes mudanças fisiológicas e anatômicas que ocorrem no trato urinário e podem estar associadas a um maior índice de aborto, prematuridade, baixo peso e mortalidade neonatal, assim como morbidade materna. Tendo em vista tais riscos, torna-se inquestionável a necessidade de realização dos exames de EAS/urocultura, rotineiramente durante o acompanhamento do pré-natal. Dessa maneira, o presente estudo trata-se de uma pesquisa quantitativa exploratória que teve por objetivo conhecer a incidência de ITU em gestantes da cidade de Paulo Frontin – PR, assim como os principais agentes etiológicos envolvidos. Foram realizadas análises física, química e microscópica juntamente com a cultura de urina. Verificou - se que 30% das gestantes apresentaram ITU, tendo como principal uropatógeno isolado o Enterococcus faecalis, seguido do Staphylococcus aureus e Escherichia coli, os quais não demonstraram significado clínico devido apresentarem crescimento inferior a 105 UFC/mL. Além disso, foi realizada uma ação educativa por meio de orientações quanto aos cuidados gerais que se deve ter no período gestacional, a fim de evitar o surgimento de ITU ou melhorar a eficácia do tratamento medicamentoso nos casos em que se evidenciou a patologia. O estudo revela a grande importância do diagnóstico precoce e tratamento adequado das ITUs, evitando assim, complicações à gestante e ao futuro concepto.

 

Publicado
2020-12-14