A FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA NA BRONQUIOLITE VIRAL AGUDA:

REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

  • Martina Tereska Uniguaçu
Palavras-chave: Técnicas. Fisioterapia. Bronquiolite. Realibitação. Score.

Resumo

RESUMO: A Bronquiolite Viral Aguda (BVA) é uma doença inflamatória aguda que afeta predominantemente os bronquíolos, em cerca de 60 a 80% dos casos é causada pelo vírus sincicial respiratório (VSR), acometendo crianças com idade inferior a dois anos. Ela pode se manifestar de forma leve, moderada ou grave, essa classificação vai depender do quadro clínico da criança e este, está relacionado com a extensão do processo inflamatório causado pelo vírus, o qual vai provocar infiltração de neutrófilos, linfócitos e liberação de mediadores inflamatórios, que provocam edema, espasmo muscular, maior produção de muco e sua menor eliminação através de mecanismo mucociliar, consequentemente ocorrerá obstrução e aumento da resistência das vias aéreas, levando a uma ventilação/perfusão alterada que resulta em hipoxemia e hipercapnia, podendo progredir para Insuficiência Respiratória Aguda. O diagnóstico pode ser suspeitado pelo quadro clínico, no qual o recém-nascido ou o lactente apresentam-se com dificuldade respiratória e coriza, ausculta pulmonar caracterizada por crepitações e sibilância bilateral, e no exame radiológico podem-se observar áreas de hiperinsuflação pulmonar difusa e ausência de condensação. A fisioterapia respiratória tem sido utilizada em pacientes com bronquiolite viral aguda com os objetivos de desobstrução brônquica, desinsuflação pulmonar e recrutamento alveolar, por meio de diversas técnicas. Objetivo: O objetivo deste estudo foi realizar um levantamento bibliográfico de artigos científicos que relatam o uso de técnicas de fisioterapia respiratória na BVA, verificando e apontando as técnicas que mais trazem benefícios para a doença, também reconhecer os instrumentos avaliativos e classificatórios da patologia. Metodologia: É uma pesquisa de revisão bibliográfica, a qual foi realizada pesquisas em três bases de dados diferentes: Scielo, Pubmed e Google acadêmico, entre março e maio de 2020, com os artigos de ano de 2010 a 2020. Resultados: Conclui-se que não há uma padronização das técnicas utilizadas, foram citadas várias técnicas nos artigos para o tratamento fisioterapêutico, algumas os autores relatam ter efeito de curto prazo e outras que não obtiveram um efeito desejado na BVA, sendo assim, não chegamos a uma conclusão para a melhor técnica de fisioterapia indicada para a BVA, porém conseguimos chegar à conclusão que o único tratamento realmente com os benefícios comprovados na patologia de BVA seria o uso da oxigenioterapia.

Publicado
2020-12-14